Consulado Geral da República Tcheca em São Paulo

česky  português 

Pesquisa avançada

Recomendar o artigo Imprimir Decrease font size Increase font size

Lançamento de livros “Brasilianos tchecos” e “A época brasileira de Vilém Flusser”

Em 20 de abril de 2010 foram no Consulado Geral da República Tcheca em São Paulo lançados dois livros: “Brasilianos tchecos” e “A época brasileira de Vilém Flusser” da autoria da compatriota tcheca Eva Batličková. No caso de “Brasilianos tchecos” trata-se de um título que surgiu do projeto documentário fotográfico sobre os tchecos residentes no Brasil, de autoria do artista tcheco Jindřich Štreit e do nosso consulado. Jindřich Štreit visitou em julho de 2009 cerca de 70 famílias de compatriotas tchecos nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro, Mato Grosso do Sul e Rio Grande do Sul. O livro foi publicado em novembro de 2009 e contou com o apoio do Ministério de Cultura da República Tcheca.

O livro A época brasileira de Vilém Flusser é um fruto de quase 10 anos de pesquisa da vida e obra deste pensador. Sua primeira versão foi entregue em forma de dissertação de mestrado ao departamento da Filosofia de Universidade Masaryk em Brno, República Tcheca, em 2001. O livro brasileiro é a versão atualizada e completa, enriquecida pelo estudo de obra de Flusser diretamente no Brasil. O objetivo da pesquisa é criar um contraponto às tendências comuns que destacam sua época européia e o entendem, principalmente, como um teórico da mídia e da sociedade pós-histórica. A época brasileira de Vilém Flusser enfatiza o primeiro período e o amadurecimento do pensamento deste intelectual que, nos anos 60, era um importante filósofo da linguagem. Primeira edição de 1.000 exemplares – primeira tiragem 300 exemplares.

Vilém Flusser, filósofo e importante teórico da mídia, nasceu em 1920 em Praga, então antiga Tchecoslováquia. Por sua procedência judaica saiu do país logo depois da ocupação nazista. Refugiou-se primeiro na Inglaterra e um ano depois, em 1940, no Brasil. Com sua namorada praguense Edith e sua futura esposa, residiram em São Paulo. Desde final dos anos 50, Flusser regularmente colaborou com periódicos paulistas e brasileiros com seus ensaios filosóficos e engajados. Tornou-se membro do Instituto Brasileiro de Filosofia e no início dos anos 60 passou a lecionar em universidades do Estado de São Paulo, por exemplo USP, ITA, FAAP. Durante sua atuação brasileira publicou três livros: Língua e realidade, A história do diabo e a coletânea de ensaios Da religiosidade. Em 1972, na fase dura da ditadura militar, retorna para Europa. Muda-se primeiro para Itália, mais tarde para Provence Francesa. Escreve obras em português, alemão, inglês e francês. Vilém Flusser ganhou reconhecimento internacional em 1983, quando foi lançado na Alemanha seu livro Filosofia da caixa preta. Em 1991, recebeu convite do Goethe Institut de Praga para proferir palestra sobre o neonazismo como ameaça à Europa. Sua fala teve grande repercussão, no entanto, no caminho de volta, Vilém Flusser foi vítima de um fatal acidente de carro. Está enterrado no Cemitério Judaico em Praga.

A Annablume, fundada em 1993 e com mais de 1.000 títulos em catálogo, é uma editora paulistana voltada para a publicação acadêmica brasileira e internacional. Desde 2009 associou-se com o selo Demônio Negro, passando a publicar prosa e poesia da mais alta referência literária como Octavio Paz, Joan Brossa, Joaquim de Sousândrade, Augusto de Campos, Ramón Goméz de la Serna, entre outros. Em 2010 integrarão o acervo da Demônio Negro/Annablume os autores tchecos Václav Havel, Jindřich Štreit e Markéta Pilátová.

Eva Batlickova, A época brasileira de Vilém Flusser, São Paulo: Annablume, 2010.


fotos do lançamento