português  česky 

Pesquisa avançada
Recomendar o artigo Imprimir Decrease font size Increase font size

A República Tcheca e o Brasil

Sabíam que o Brasil foi o primeiro país da América Latina a reconhecer a Tchecoslováquia como país soberano e independente já em dezembro de 1918? A Tchecoslováquia foi criada em 28 de outubro de 1918 e já em 1920 o primeiro Embaixador Tchecoslovaco entregou suas cartas credenciais para o Presidente brasileiro Epitacio Pessõa, no ano seguinte o Embaixador brasileiro Carlos Lemgruber Kropf assumiu sua funçăo na Tchecoslováquia. As relações bilaterais entre a República Tcheca e a República Federativa do Brasil são uma continuação direta e ininterrupta das relações corretas e não problemáticas as quais mantiveram o Brasil e a Tchecoslováquia.

Introdução

Essas relações tiveram principalmente a forma de colaboração econômica a qual teve sua base na época entre as Guerras Mundiais, quando o Brasil conhecia os produtos tchecos (indústria de maquinaria e produtos de consumo) das marcas: Skoda (carros), CKD (máquinas industriais), Jawa (motocicletas) incluindo bohemia cristal e a cerveja tcheca. Até hoje estes dois últimos produtos são famosos no Brasil e nome "Pilsen" (cidade tcheca que tem produção tradicional de cerveja) faz parte de algumas marcas de cerveja brasileira. Na época depois da Segunda Guerra Mundial a Tchecoslováquia exportava para Brasil grandes conjuntos de investimentos (equipamentos técnicos para cimentarias, cervejarias e para usinas de açúcar). O conhecimento brasileiro sobre a Tchecoslováqia também foi marcado pelo fato de que o mais famoso presidente brasileiro Juscelino Kubitchek tem as raízes familiares tchecas. A imagem positiva de Tchecoslováquia também foi conhecida pelos estudantes brasileiros que se formaram nas universidades tchecas através das bolsas oferecidas pelo governo tchecoslovaco e também os emigrantes políticos da época da ditadura militar brasileira acharam asilo na Tchecoslováquia. O Brasil sempre foi o foco dos interesses tchecos na América Latina por sua posição de líder na regiăo e esta situação continua até hoje. A República Tcheca esta reconhecendo o grande potencial econômico do Brasil e também seu potencial político no nível da política internacional que com certeza tem tendęncia de crescimento. Na parte comercial nos últimos anos o Brasil está em primeiro lugar entre os parceiros econômicos na América Latina. Uma parte de boas relaçőes entre ambos países também é a cultura. Na República Tcheca é conhecida a literatura brasileira, principalmente os autores Jorge Amado e Rachel de Queiros (nos últimos anos também os tchecos podem assistir as novelas brasileiras que fazem grande sucesso). No Brasil săo conhecidos os compositores tchecos como Antonin Dvorak e Bedrich Smetana, músicos tchecos e também escritores tchecos como Milan Kundera, Josef Skvorecky, Karel Capek e principalmente Franz Kafka.

As relações diplomáticas

O Brasil foi o primeiro país da América Latina a reconhecer a Tchecoslováquia como país soberano e independente já em dezembro de 1918 (Tchecoslováquia foi criada em 28 de outubro de 1918). Em 1920 o primeiro Embaixador tchecoslovaco entregou suas credenciais para o presidente brasileiro Epitacio Pessoa e no ano seguinte o Embaixador brasileiro Carlos Lemgruber Kropf assumiu sua funçăo em Praga na Tchecoslováquia. Grandes simpatias pela Tchecoslováquia mencionou também Gustavo Barroso no seu livro Coraçăo da Europa que foi lançado no Rio de Janeiro em 1922. "Primeira República" Tchecoslováquia (época da data da sua criaçăo até Segunda Guerra Mundial) formou com Brasil as relaçőes comerciais muito corretas. Em 1931 foi assinado o primeiro Acordo comercial e de taxas entre ambos países. Em 1937 a exportaçăo checa representava 85 milhőes de coroas tchecas e a importaçăo brasileira chegou ate 173 milhőes de coroas checas. Também os contatos científicos e culturais ajudaram os ambos lados a conhecerem-se melhor. Vários pesquisadores tchecos, entre eles lingüistas, etnógrafos, antropólogos, visitaram o Brasil e seus conhecimentos lançaram através de livros. As relaçőes diplomáticas foram rompidas em março de 1939 com a chegada dos nazistas para Praga e a seguinte criaçăo de Protetorado da Bohemia e da Moravia, e a Tchecoslováquia teve que entregar a sua Embaixada no Rio de Janeiro para alemăes. Temos que dizer que o Brasil nunca, com nenhum ato oficial reconheceu o Protetorado nem o Estado Eslovaco (eslovacos proclamaram seu estado independente depois da ocupação da parte tcheca pelos alemães). Oficialmente foram retomadas as relaçőes diplomáticas em 1942 entre o Governo brasileiro e o Governo tchecoslovaco exilado em Londres. Em 1960 as missőes diplomáticas de ambos países foram reconhecidas no nível Embaixada. O Brasil reconheceu a República Tcheca em 1º de janeiro de 1993 (separaçăo oficial de Tchecoslováquia) e no mesmo dia estabeleceu as relaçőes diplomáticas no nível Embaixada. O Brasil tem sua Missão diplomática na capital tcheca em Praga e República Tcheca tem no Brasil em Brasília Embaixada e dois Consulados Gerais - no Rio de Janeiro e em São Paulo.

As relações políticas

As relaçőes políticas entre a República Tcheca e o Brasil tem historia de setenta anos e podemos as considerarem como muito corretas e profundas. Ainda na época comunista na Tchecoslováquia (maio de 1988) o primeiro ministro tchecoslovaco visitou o Brasil (primeira visita do primeiro ministro tchecoslovaco ao Brasil) e foi assinado o Acordo sobre a colaboraçăo econômica entre ambos países e em abril de 1989 o Ministro das Relaçőes Exteriores Roberto Costa de Abreu Sodré visitou a Tchecoslováquia e foi assinado o Acordo sobre a colaboraçăo cultural. Imediatamente depois de novembro de 1989 (Revoluçăo de Veludo) o Brasil mostrou grande interesse em intensificar as relaçőes com a República Federativa Tchecoslováquia em todas as áreas. Até maio de 1990 o Brasil ratificou todos os quatro Acordos celebrados com a Tchecoslováquia entre 1985 e 1989, e o Presidente brasileiro Fernando Collor de Mello convidou o novo Presidente tchecoslovaco Vaclav Havel a visitar o Brasil. De 1990 até hoje visitaram o Brasil muitos representantes tchecos (Vice Primeiro Ministro, Ministro da Indústria e Comércio, Ministro das Relaçőes Exteriores, grupo dos Senadores etc.). A importante foi a visita foi do presidente tcheco Václav Havel, em setembro de 1996, ao Brasil. Em 2008 visitou a República Tcheca o presidente Luiz Ignacio Lula da Silva e em 2009 o presidente da República Tcheca, Václav Klaus, retribuiu essa visita.

Setor econômico

As relaçőes comerciais entre o Brasil e a ex Tchecoslováquia tem uma historia muito rica e duradoura. O início podemos ver já depois da criaçăo da Tchecoslováquia em 1918, quando por conseqüęncias de desmoronamento do Império austro-húngaro, a indústria tcheca perdeu seus mercados e lutou para conseguir novos. O Brasil logo começou a exportar sua matéria primaria e seus produtos agrícolas para a Tchecoslováquia e ela também achou novo mercado para seus produtos de consumo (bohemia cristal, tęxtil, sapatos) mas também para lúpulo e tecnologia militar. Entre estes produtos tradicionais o Brasil também importava carros, motocicletas e maquinas industriais. Essas relações foram rompidas durante a Segunda Guerra Mundial mas imediatamente em 1945 o interesse tchecoslovaco sobre o Brasil foi retomado. Os produtos de cambio comercial ficavam como antes de 1939 mas em situaçăo diferente politicamente e economicamente que refletiu a conjuntura na América do Sul e a desestabilizaçăo pós - guerra na Europa. Depois de 1989 o comercio tcheco com Brasil (mesmo como com outros países latino-americanos) caiu. Atingiu o seu fundo atingiu em 1993 e a partir deste ano a balança comercial começou a crescer de novo. Hoje o Brasil representa para a República Tcheca o parceiro mais importante da América Latina. O interesse de aumentar a colaboração comercial proclamaram ambos países com a criação da Câmara de Indústria e Comércio brasileira - tcheca em 1994 que tem a sua sede em São Paulo. Existe uma desproporção estatística em relaçăo a balança comercial do lado brasileiro de 40 milhões de dólares, pois o Brasil terceirisa seus produtos principalmente os agrícolas.

Áreas culturais e escolares

As relações culturais tem nível bastante bom e nos últimos anos trabalham no Brasil vários grupos de artistas que colaboram com artistas tchecos. No Rio de Janeiro foi criado o Centro cultural brasileiro-checo que tem vários projetos de apresentaçăo da cultura brasileira na República Tcheca, e na cidade Lidice - RJ (ex Santo Antônio de Capivari que mudou o nome depois da destruiçăo da cidade tcheca pelos nazistas) existe um "Atelier tcheco-brasileiro" onde trabalham artistas tchecos.

Na área escolar existe intercâmbio de estudantes e professores universitários. Em 1995 o Governo tcheco ofereceu bolsas para estudantes universitários que infelizmente não foram aproveitadas pela parte brasileira. Intercâmbio existe também a nível de segundo grau e cada ano viajam para a República Tcheca dezenas de estudantes brasileiros. Também existem contatos diretos entre as universidades dos ambos países.